O CAPATAZ DE SALEMA é um grande poema que dialoga com a solidão humana, com as desigualdades sociais ao mesmo tempo em que se interpõe entre uma realidade cruel de sobrevivência e a esperança por dias melhores. Mostra a trajetória de três personagens bem diferentes entre si: Luzia, João (o capataz) e Sinhá Ricarda. A condição de miséria em que vivem Luzia e sua Avó, é o pano de fundo para a encenação e contrasta com a condição social do outro personagem, o Capataz, chamado João. Toda a estrutura dramática do texto de Cardozo, foi feita com a utilização de redondilhas (versos de cinco ou sete sílabas), o que reforça o desafio dos estudos realizados para sua interpretação. O CAPATAZ DE SALEMA trata da solidão do ser humano a partir da visão de uma sociedade absenteista e cheia de contradições políticas, econômicas e humanas. Ela universaliza o estado humano de ser só, a imobilidade, a incapacidade da ação em nosso presente, em nosso passado, em nosso futuro. Aqui o Mar que traz a morte, traz também a vida, alimenta e destrói sonhos, esperanças e possibilidades de uma vida melhor. O Capataz, que comanda pescadores, sem perceber que também é comandado, deseja casar com Luzia, oferecer-lhe uma vida melhor longe da miséria em que vive. O confronto entre o masculino e o feminino, opressor e oprimido, vida e morte é constantemente vivenciado neste universo circular de começo meio e fim.