A Companhia Fiandeiros de Teatro iniciou seus trabalhos em 2003, tendo como foco o estudo do Teatro para Infância e Juventude. Formada por músicos, atores, artistas plásticos e arte/educadores, a Companhia procura mesclar em seus trabalhos, a harmonia dos elementos de cena a partir da linguagem trazida por cada um de seus integrantes. Como fruto de sua primeira pesquisa surgiu o texto Outra vez, era uma vez..., escrito por André Filho, que em 2004 obteve o 2º lugar no Prêmio Funarte de Dramaturgia- Região NE, na categoria Teatro para infância e juventude. No mesmo ano, o grupo se dedicou à montagem do espetáculo Vozes do Recife - um concerto poético. A pesquisa teve como norte a obra de cinco poetas pernambucanos: Ascenso Ferreira, João Cabral de Melo Neto, Joaquim Cardozo, Manuel Bandeira e Carlos Pena Filho. Com esse espetáculo, participou de diversos Festivais e Eventos, excursionou pelo interior de Pernambuco e em janeiro de 2005, recebeu os prêmios de melhor espetáculo e melhor direção para André Filho, no Festival Janeiro de Grandes Espetáculos (PE). Ainda no mesmo ano, o Grupo se dedicou a uma nova pesquisa, a convite do Centro Cultural Benfica, espaço vinculado a UFPE, sobre a dramaturgia de Joaquim Cardozo através da realização da leitura dramatizada da Peça: O Capataz de Salema. A pesquisa prosseguiu para dar vida à montagem do mesmo espetáculo, cerca de dez meses depois. Após cumprir temporada em Recife, O Capataz de Salema, através da Caravana Funarte de Teatro, realizou curtas temporadas em quatro capitais do Nordeste. Ainda com o Capataz de Salema, a Companhia recebeu os prêmios de Melhor Cenário, Melhor Iluminação e Melhor Ator Coadjuvante (Manuel Carlos), no Festival Janeiro de Grandes Espetáculos, e os prêmios de Melhor Iluminação e Especial do Júri para o Coro de Parcas, no Festival de Teatro do Rio de Janeiro. Dando continuidade ao primeiro estudo iniciado pela Companhia sobre a linguagem do teatro para infância e juventude, a Companhia Fiandeiros no ano de 2008 estreou a montagem do texto Outra vez, era uma vez... A peça, que foi inicialmente pensada para ser o ponto de partida da Companhia, acabou por comemorar os cinco anos de atividade artística do Grupo, fazendo temporadas na cidade do Recife e participando de diversos Festivais no Nordeste. O espetáculo foi o grande premiado do Festival Janeiro de Grandes Espetáculos realizado em janeiro de 2009, no qual, após concorrer a nove categorias, ganhou os prêmios de melhor cenário, melhor maquiagem, melhor trilha sonora, melhor figurino, melhor diretor, melhor espetáculo e especial do júri como estímulo a dramaturgia para infância e juventude. No mesmo ano, a Companhia Fiandeiros recebeu o prêmio Myriam Muniz de Teatro para a realização do projeto: Fiandeiros Repertório, que levou à cena os três espetáculos da Companhia, além da realização de oficinas, palestras e debates. Ainda em 2009, o espetáculo Outra Vez, Era Uma Vez..., foi convidado pela curadoria do Festival Recife do Teatro Nacional para ser o represente de Pernambuco na categoria Teatro para Infância no Festival. Em 2010 a Companhia Fiandeiros, em parceria com o Sindicato dos Artistas – SATED, abre em sua sede (inaugurada em Julho de 2009) a Escola de Teatro Fiandeiros, com 01 ano de duração e 14 disciplinas profissionalizantes na área de Teatro. No mês de maio recebeu o incentivo do Governo do Estado, através do FUNCULTURA, para dar início à sua nova pesquisa: Paralelas do Tempo- A Teatralidade do “não ser”, que realizou estudos acerca dos moradores de rua da cidade do Recife, e teve duração de 10 meses. Nesse período, a Companhia mergulhou no universo dos moradores de rua, e a partir deste mergulho surgiram três fragmentos de dramaturgia: O PRESENTE, A CURA e SALOBRE, gerando assim o embrião do seu quarto trabalho, o espetáculo: Noturnos, que fez sua estreia em outubro de 2011 e participou da Mostra Capiba, em Recife e dos Festivais de Artes Aldeia Yapoatan (Jaboatão – PE) e Aldeia Olho D’Água dos Bredos (Arcoverde-PE), todos realizados pelo SESC Pernambuco. Em 2012 participou do Festival Janeiro de Grandes Espetáculos, no qual recebeu as indicações de melhor ator e atriz coadjuvante (Manuel Carlos e Daniela Travassos) e foi agraciado pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz para circular pelas cidades do Rio de Janeiro, Niterói, São Paulo e Curitiba. Em Agosto de 2012 o Espetáculo Noturnos realizou sua primeira temporada no Espaço Fiandeiros, comemorando os três anos do Espaço e os nove anos da Companhia Fiandeiros de Teatro. Em Outubro, a Companhia Fiandeiros aprovou mais dois Projetos no FUNCULTURA Estadual: Espaço Fiandeiros – Dramaturgia Pernambucana, que proporcionou a criação de um banco de textos teatrais em sua sede para novos autores pernambucanos, além da viabilização da programação do Espaço Fiandeiros por seis meses com leituras dramáticas e encenações de contos; e o Projeto de Circulação do Espetáculo NOTURNOS por cidades do interior do Estado de Pernambuco, com realização de oficinas e residências artísticas com Grupos das cidades visitadas. No ano seguinte, em 2013, um dos quadros de Noturnos, SALOBRE, se desdobrou em um espetáculo que percorreu escolas da Região Metropolitana do Recife e alguns Projetos do SESC Pernambuco. Em 2013/2014 a Companhia realizou as leituras dramáticas: Engenho Velho, O Mistério das Figuras de Barro e A Lira dos Vinte Anos, e ainda montou: Adeus Ano Novo!, a partir da obra de Nelson Rodrigues, escrito e dirigido por André Filho. Em Janeiro de 2015, a Companhia foi homenageada pelo XXI Festival Janeiro de Grandes Espetáculos, pelo trabalho realizado na cidade do Recife ao longo dos seus doze anos de atividades ininterruptas. Ainda em 2015, o Grupo realizou o Projeto Espaço Fiandeiros – Dramaturgia Clássica, promovendo palestras e debates sobre a dramaturgia clássica e sua relação com o teatro contemporâneo; realizando leituras dramáticas e montando três solos inéditos a partir dos textos: Antígona, de Sófocles, O Canto do Cisne, de Thekov e A Tempestade, de Shakespeare, com direção de Luís Reis, Marianne Consentino e João Denys, através do incentivo do Funcultura e de parceria com a Universidade Federal de Pernambuco. Em 2016, se dedicou a estréia do espetáculo: VENTO FORTE PARA ÁGUA E SABÃO, de Giordano Castro, com direção de André Filho, que cumpriu temporada no mês de maio no Teatro Hermilo e nos meses de Agosto e Setembro no Teatro Barreto e ainda participou dos Festivais TREMA!Plataforma de Teatro, FETEAG, Festival Recife do Teatro Nacional e Janeiro de Grandes Espetáculos, este último, recebendo nove prêmios na categoria Teatro Para Infância e Juventude, entre eles o de Melhor Dramaturgia, Melhor Direção e Melhor Espetáculo. Participou com os Espetáculos Uma Antígona Para Lúcia e Salobre, do Festival Outubro Ou Nada, sendo o Espaço Fiandeiros um co-realizador do Festival. Dedicou-se ainda no mesmo ano à realização da terceira edição do Projeto: Espaço Fiandeiros Dramaturgia, que, com o incentivo do FUNCULTURA teve sua programação toda voltada ao Teatro para infância e Juventude, com a realização de oficinas gratuitas, leituras dramáticas e a construção de um espetáculo inédito com estréia para Abril de 2017.